Edifícios e estruturas de Pompeia

Por Marcelo Albuquerque

A Porta Marina, entrada principal do parque, até a fatal erupção do Vesúvio em 79 d.C., situava-se rente ao porto da cidade, na costa do mar, e atualmente está a quilômetros de distância. É por ela que se acessa o parque pela estação de trem principal e bilheteria. De acordo com o website oficial do Parque Arqueológico de Pompeia, a Porta Marina é semelhante a um bastião, e junto com Porta Herculano é uma das mais imponentes dos sete portões de Pompéia.  Possui dois arcos de abóbadas de berço combinados em uma única estrutura em opus caementicium, sendo que uma passagem se destinava a pedestres e a outra, maior, para veículos, separadamente.

SAM_2722.JPG

Entrada da Porta Marina do sítio arqueológico de Pompeia, a partir da estação de trem. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_2723.JPG

Entrada da Porta Marina do sítio arqueológico de Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_2727.JPG

Entrada da Porta Marina e calçamento original romano. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Saída da Porta Marina, com detalhes das camadas estruturais das paredes. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Saída pela Porta Herculano, em direção à Via delle Tombe e Vila dos Mistérios. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Ao entrar pela Porta Marina, os calçamentos das ruas chamam atenção pela preservação de ricos detalhes. As ruas pavimentadas de Pompeia possuíam passadiços elevados para que os pedestres atravessassem com maior conforto, evitando as águas torrenciais e o esgoto da cidade. Em algumas pedras dos calçamentos podemos ver as impressionantes marcas dos aros metálicos das rodas dos carros romanos, que tinham um padrão de eixo de 1,40m. As fontes de água também chamam atenção e refrescam os visitantes que enchem as ruas das cidades.

SAM_2749.JPG

Rua e passadiço de Pompéia, com as marcas das rodas de carros. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Passadiço de rua de Pompéia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_2780.JPG

Marcas das rodas de carros em Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Fontes em Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

O Fórum de Pompeia remonta ao período de ocupação samnita, quando se intensificou a monumentalidade arquitetônica de seus edifícios. Possui uma grande forma retangular, tendo ao norte o Templo de Júpiter (tríade capitolina) e, ao sul, no acesso para a Porta Marina, a basílica. Na praça central encontrava-se o grande pórtico com colunatas ladeando o fórum. Era cortado pelo cardus maximus e decumanus maximus, sendo o primeiro chamado Via del Foro e o último Via dell’Abbondanza. Ao contrário de uma típica cidade romana planejada, o fórum principal de Pompeia não se localizava próximo ao centro geográfico da cidade, mas estava deslocado para o oeste, no sentido da Porta Marina. À medida em que a cidade foi se expandindo, esta tomou a direção da Via dell’Abbondanza, ao leste, na região do anfiteatro. Na entrada do Fórum de Pompeia destacam-se as imponentes ruínas da basílica que datam do século II a.C.

Pompeia forum mapa.gif

Planta do Fórum de Pompeia, adaptado de August Mau por Marcelo Albuquerque. Fonte: Wikipédia. Disponível em: https://en.wikipedia.org/wiki/Pompeii. Acesso em: 12 jan 2018.

Pompeia forum.jpg

Fórum de Pompéia. Fonte: Google Earth. Acesso em: 20 set. 2016.

SAM_2735.JPG

Basílica de Pompeia. Ao fundo a colunata coríntia do tribunal e alto podium. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Basílica de Pompeia, com as bases das colunatas, dando uma visão das dimensões das naves. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Pórtico da Basílica de Pompeia, com colunatas dóricas e jônicas. Vemos uma base para esculturas antecedendo a colunata dórica. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_27451.jpg

Fórum de Pompeia com o Monte Vesúvio ao fundo. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_2994.JPG

Templo de Júpiter, com a tríade capitolina (Júpiter, Juno e Minerva), no fórum. Concreto e tufa. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Templo de Júpiter, com a tríade capitolina (Júpiter, Juno e Minerva), no fórum. Concreto e tufa. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Podium do Templo de Júpiter, em frente ao Maccelum, no fórum. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Além do fórum e seus templos, destacam-se outros edifícios como o Pistrinum (moinho), o Macellum (mercado de alimentos), as termas e pequenos restaurantes.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Maccelum, no fórum. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Depósito de artefatos situado no Fórum de Pompeia, local de trabalho e catalogação arqueológica. Encontra-se nesse local moldes de gesso de corpos humanos. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Ânforas e vasos cerâmicos diversos no depósito do Fórum de Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Carroça de madeira no depósito do Fórum de Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Corpo de criança no depósito do Fórum de Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_3002.JPG

Latrina do Fórum de Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Continue a leitura adquirindo o livro ou e-book completo.

Giuseppe Fiorelli e os moldes de gesso

Por Marcelo Albuquerque

Giuseppe Fiorelli, quando assume o comando das escavações em 1863, em Pompeia, encontra espaços vazios nas camadas de cinzas que continham restos humanos. Ele percebeu que estes espaços foram deixados pelos corpos em decomposição e por isso desenvolveu a técnica de injeção de gesso para refazer as formas das vítimas. Algumas possuem uma expressão de terror claramente visível. Atualmente, esta técnica está em uso, porém o gesso foi substituído por uma resina especial que permite uma melhor conservação e estudo dos corpos. A resina, por ser mais durável e não destruir os ossos, permite análises mais aprofundadas. Fiorelli estabeleceu um método de escavação que partia de cima para baixo, visando a reconstituição futura das construções.

SAM_2890.JPG

Moldes e corpos de vítimas em exposição no anfiteatro de Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_2893.JPG

Moldes e corpos de vítimas em exposição no anfiteatro de Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Moldes e corpos de vítimas em exposição no anfiteatro de Pompeia. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Continue a leitura adquirindo o livro ou e-book completo.

Pompeia – introdução

Por Marcelo Albuquerque

Estudar a cidade de Pompeia é uma das melhores oportunidades de voltar ao passado e conhecer de perto as tecnologias de construção e os interiores das casas dos ricos romanos. O conhecimento geral da cidade proporciona um panorama de análise sobre todo o mundo romano, não só de como era uma típica cidade romana em si, indo além, pois fornece conhecimentos sobre detalhes mínimos da arquitetura, planejamento urbano, mobiliário e costumes dos cidadãos de Roma. A cidade foi uma espécie de balneário muito valorizado e frequentada por ricos e famosos.

Pompeia mapa

Mapa de Pompeia. Adaptado por Marcelo Albuquerque. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Map_showing_the_main_streets_of_Pompeii.jpg. Acesso em; 06 jan. 2018.

Pompéia está situada ao sul de Nápoles, na região da Campânia italiana. A cidade, junto à sua vizinha Herculano, no ano 79 de nossa era, foi destruída e soterrada por cinzas vulcânicas e pedras-pomes durante a grande erupção do Monte Vesúvio. Sua população era estimada em cerca 11.000 pessoas, porém sabe-se que a maior parte conseguiu escapar a tempo do desastre. Os que morreram no local foram enterrados sob toneladas de cinza vulcânica.

A destruição foi narrada na carta de Plínio, o Jovem, que viu a erupção a uma distância segura e descreveu a morte de seu tio Plínio, o Velho, célebre historiador e almirante da frota romana, que morreu intoxicado durante o resgate de cidadãos. O Monte Somma e o Vesúvio faziam parte da mesma montanha, que se dividiu na erupção de 79. Sua altura chegava a 2.000 m. O mar afastou-se da costa aumentando a distância entre Pompeia e o litoral.

Depois que as grossas camadas de cinzas cobriram Pompéia, ela foi abandonada e esquecida. Em 1599, os primeiros vestígios foram encontrados, quando um canal subterrâneo foi escavado para desviar as aguas do rio Sarno, revelando paredes cobertas com pinturas e inscrições. O arquiteto Domenico Fontana foi chamado, e este revelou mais alguns afrescos, mas, em seguida, cobriu-os de novo, pois o conteúdo sexual frequente de tais pinturas poderia comprometer a integridade das mesmas devido aos moralismos e contextos da época. Em 1738 iniciaram-se as escavações de Herculano, e dez anos depois em Pompeia. Atualmente, é Património Mundial da UNESCO. A beleza da cidade escavada está na possibilidade de estudar um instantâneo da vida romana no século I, congelado no tempo em que foi soterrada, no dia 24 de agosto. A cidade de Pompeia segue a tradição de planta romana com seu cardus e decumanus bem definidos, convergindo no seu belo e monumental fórum. Tinha um sistema complexo de águas, anfiteatro, teatros, ginásio, termas e muralhas com sete portas ao longo de seu perímetro.

Os afrescos fornecem informações valiosas para a historiografia da arte do mundo antigo, através dos quatro estilos de pinturas romanas. Muitas pinturas possuem teor erótico, incluindo o uso frequente do falo dedicado ao deus Príapo, inclusive nas esculturas e estuques nas paredes, enquanto outras representam cenas dramáticas e mitológicas.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Casa do Poeta Trágico: cena de Teseu e Ariadne no triclínio decorado com painéis amarelos no quarto estilo, com arquiteturas fantásticas. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

O sítio arqueológico de Pompeia está sob constante ameaça devido à deterioração causada pela exposição aos elementos naturais, aos milhões dos visitantes a cada ano e aos danos potenciais das atividades sísmicas e vulcânicas. Recentemente foi divulgado nos grandes jornais brasileiros alguns desmoronamentos e problemas na conservação e administração na cidade de Pompeia[1]. Diversas autoridades ficaram em alerta, não só pelas péssimas condições de conservação, mas também por denúncias de corrupção. Há poucos anos, desmoronamentos na cidade de Pompeia deixaram em alerta diversas autoridades no assunto por causa desses motivos. Segundo a imprensa, os fundos estavam sendo desviados pela máfia, junto à má gestão e saques de pedaços de afrescos e outros elementos históricos. A situação tornou-se mais preocupante após o desmoronamento da Casa dos Gladiadores, em 2010. Segundo o Estadão, a Associação Nacional dos Arqueólogos da Itália expressou “pesar e raiva” sobre o mais recente desmoronamento e criticou o governo por não nomear alguém para liderar a restauração. Parte do muro de um jardim que cercava uma antiga casa, nos arredores da Casa do Moralista e perto da Casa dos Gladiadores, cedeu em diversos pontos, devido à umidade extrema do solo e negligência. A Casa do Moralista constitui-se de lares de duas famílias da cidade antiga, fechadas à visitação aos turistas.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Rua de Pompeia, próxima à Casa do Fauno, com o monte Vesúvio ao fundo. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Continue a leitura adquirindo o livro ou e-book completo.

Villas

Por Marcelo Albuquerque

As villas são residências de uso urbano e rural, ou apenas rural, que devem conter caves, celeiros, currais, silos e armazéns de acordo com agricultura e pecuária da região. Em Pompéia, a mais famosa é a Vila dos Mistérios, facilmente acessada pela Via delle Tombe, encontrando-se cerca de 400 metros a noroeste das muralhas da cidade. Pompéia está em uma região fértil, com ricos solos vulcânicos, que cercam o Monte Vesúvio e que sempre foram excelentes para a agricultura, desde a Antiguidade. A Vila dos Mistérios, na área rural circundante de Pompéia, foi uma das vilas dedicadas ao cultivo de frutas, verduras, cereais, cevada e trigo, juntamente com o vinho e o azeite. As vinhas foram de extrema importância para a economia de Pompéia.  Acredita-se que as vinhas da antiga Pompeia são muito semelhantes em estrutura às modernas vinhas atuais. A Vila dos Mistérios proporciona uma fantástica visão de planta e de técnicas construtivas de uma abastada vila romana rural, mas que mantem no desenho várias semelhanças com a domus urbana. A Vila dos Mistérios remonta originalmente ao século II a.C., mas o seu layout atual foi sendo modificado até aproximadamente o ano 62 de nossa era.

villa-of-the-mysteries-plan

Planta da Vila dos Mistérios. Fonte: AD79. Disponível em: https://sites.google.com/site/ad79eruption/pompeii/villas-outside-the-walls/villa-of-the-mysteries. Acesso em: 17 set. 2016.

Na figura acima, podemos localizar as seguintes áreas: (a) via superiore-vestíbulo, (b) quarto dos empregados, (c, e) sala, (d) corredor, (f) latrina, (g) peristilo, (h) torcularium, (i) cozinha secundária, (j) pátio da cozinha, (k) átrio tetrastilo, (l) tepidarium, (m, p, q, t) cubiculum, (n) oecus, (o) átrio principal, (r) tablinum, (s) varanda tipo exedra, (u) triclínio dos Mistérios Dionisíacos, (v) pórtico, (x) viridaria, (y) pórtico do sudeste.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vila dos Mistérios: panorama mostrando as profundas escavações e o pórtico do sudeste. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vila dos Mistérios: podium com arcadas cegas e criptopórticos do sudeste. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vila dos Mistérios: detalhe de coluna do pórtico sudeste e sua tecnologia de construção em alvenaria com revestimento de estuque. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vila dos Mistérios: átrio principal. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vila dos Mistérios: corpo de gesso no átrio principal. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vila dos Mistérios: oecus (sala) ricamente ornamentada com pinturas no segundo estilo, com arquiteturas imaginárias. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vila dos Mistérios: oecus (sala) ricamente ornamentada com pinturas no segundo estilo, com arquiteturas imaginárias. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vila dos Mistérios: oecus (sala) ricamente ornamentadas com pinturas no segundo estilo, com arquiteturas imaginárias. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Além de representar um belo exemplo preservado de uma vila romana, a Vila dos Mistérios é famosa pelos seus afrescos, em especial as pinturas do seu icônico triclínio. Nele está representado os Mistérios Dionisíacos ou ritos pré-nupciais. O tema da representação é um assunto muito discutido, não se sabendo ao certo qual o tema correto, devido aos elementos ambíguos que podem remeter aos dois sentidos.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vila dos Mistérios: triclínio dos Mistérios Dionisíacos. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Continue a leitura adquirindo o livro ou e-book completo.