Anfiteatros

Por Marcelo Albuquerque

O antigo anfiteatro romano de Florença foi construído na década de 120 d.C., fora dos muros da cidade, na direção leste, entre a Piazza dela Signoria e a Piazza di Santa Croce. De forma elíptica, possuía um diâmetro de aproximadamente 126 metros, para aproximadamente 20.000 expectadores. Assim como no anfiteatro de Lucca, o anfiteatro de Florença foi tomado por casas medievais, aproveitando as bases estruturais de concreto e alvenaria, ocupando inclusive a arena, o que não aconteceu em Lucca, onde se preservou a arena, mas como praça (Piazza dell’Anfiteatro). Podemos ver claramente seu formato elíptico em imagens aéreas, delimitando uma espécie de quarteirão, cortado por duas (via dell’Anguillara e via Borgo dei Greci).

lucca.gif

Piazza dell’Anfiteatro, antigo anfiteatro de Lucca. Adaptado do Google Earth, 2017.

SAM_6708.JPG

Lucca: Piazza dell’Anfiteatro. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Lucca: Piazza dell’Anfiteatro. Detalhe das arcadas na forma original. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Continue a leitura adquirindo o livro ou e-book completo.

Veja também: Coliseu

Circos

Por Marcelo Albuquerque

Os circos eram os lugares dedicados especialmente às corridas de cavalos, que conduziam bigas e quadrigas, em geral. O nome deriva do latim “círculo”, pois as corridas ocorriam em pistas que possuíam uma curvatura em uma de suas extremidades, sendo a outra reta. A pista era coberta de areia, composta por duas vias retas paralelas, separadas por um alto pódio chamado spina, ligadas por duas curvas acentuadas em 180 graus. Em cada extremidade das curvas, na spina, havia um tipo de coluna chamada “meta” (metae), em torno da qual os corredores teriam que virar. Em geral, a distância entre as metas era de 200 metros, mas podia ser maior nos grandes circos. O circo tinha, na totalidade, a forma de um grande retângulo alongado, sendo que um dos lados mais curtos era arredondado, enquanto o outro era reto. No lado reto haviam as estrebarias, chamadas cárceres, ou seja, os ambientes onde se agrupavam os corredores e os animais antes das largadas. As estruturas dos cárceres eram geralmente monumentais, com torres e salas para diversos usos e fins. Ao redor do perímetro, as arquibancadas se elevavam em grandes estruturas de concreto. O filme Ben-Hur, de 1959, tornou-se célebre por suas imagens icônicas da emocionante e fictícia corrida de quadrigas no circo de Jerusalém.

Cuadrigas_de_Ben_Hur_(1959).jpg

Cena de Ben-Hur.  Fonte: Wikipedia. Disponível em: https://es.wikipedia.org/wiki/Ben-Hur_(pel%C3%ADcula_de_1959). Acesso em: 12 fev. 2017.

Os circos se localizavam próximos aos palácios, nas áreas mais centrais, para que os governantes e sua corte pudessem acessá-lo com conforto e segurança. Os mais famosos circos estavam em Roma, sendo o maior o Circus Massimus, entre o Palatino e o Aventino. Este circo foi utilizado para os jogos e para aclamação do imperador, onde eram realizadas celebrações, festas e execuções públicas.

Circus Massimus é profundamente atrelado à história e aos mitos de Roma, lembrado como o local do lendário Rapto das Sabinas, nos tempos de Rômulo. No passado longínquo era o local das atividades comerciais devido à sua posição estratégica junto ao Tibre, favorecido por sua topografia.  Possuía cerca de 600 metros de comprimento e 200 de largura, sendo a maior estrutura para espetáculos já realizada na história. Nos tempos de César atingiu os 150.000 espectadores, e na época dos Flávios teria atingido os 250.000 espectadores. O rei etrusco Tarquínio Prisco, no século VI a.C., iniciou as construções das estruturas em madeira, sendo gradualmente substituída pelas instalações de alvenaria de pedras a partir do século IV a.C., quando se ergueram os cárceres voltados para a margem do Tibre. Tarquínio Prisco, como recorda Giordani, edificou o circo de Roma e instituiu os jogos romanos (circum Romae aedificavit; ludus Romanos instituit)[1]. Júlio César, em meados do século I a.C, deu a forma final ao circo com alvenarias diversas e concreto romano.

1280px-Circus_Maximus,_plan_de_Rome_de_Paul_Bigot,_université_de_Caen_MRSH.JPG

Modelo do Circus Massimus, Roma.  Fonte: Wikimedia Commons. https://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Models_of_Circus_Maximus_(Rome)?uselang=it. Acesso em: 12 fev. 2017.

circus.jpg

Circus Massimus. Fonte: Google Earth. Acesso em: 12 fev. 2017.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vista do Circus Massimus sobre o Palatino. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Vista do Circus Massimus sobre o Palatino. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

SAM_4279.JPG

Circus Massimus e o Palatino, Roma. Foto: Marcelo Albuquerque, 2015.

Continue a leitura adquirindo o livro ou e-book completo.